A melhor Plataforma
E-commerce do Brasil
(11) 3136-0561
Crie sua loja virtual

No Brasil, nove em cada dez visitantes de e-commerce compram online

Tema: Taxa de Conversão do Comércio eletrônico no Brasil

06/12/2010

Fonte: IDG Now!

Índice de conversão de 94% é o maior entre cinco países da América Latina, diz comScore; entre os que não compram, segurança é a maior preocupação.

O Brasil é líder na conversão de visitantes em compradores em sites de comércio eletrônico na América Latina, aponta estudo da comScore divulgado na última quarta-feira (1/12).

De acordo com a pesquisa, que foi divulgada durante evento da Associação Latino-Americana de E-Commerce, nesta quarta-feira em Bogotá (Colômbia), o indice de visitantes de lojas virtuais que fazem compras online é de 94%, mais que na Argentina (89%) e na Colômbia (84%).

"Na comparação com outras regiões do mundo, a indústria do e-commerce na América Latina ainda está na sua infância", declarou o vice-presidente sênior da comScore para a América Latina, Alejandro Fosk. "Mas, com três entre cinco usuários de Internet visitando sites de varejo em novembro, está claro que os consumidores da região têm interesse nas compras online."

Na análise por gênero, as mulheres superam os homens em compras online na região: 88% das mulheres que visitam sites de e-commerce disseram comprar nessas lojas. Entre os homens, o índice é de 79%.

Dos entrevistados que disseram não comprar online, o principal obstáculo apontado foi a segurança, preocupação de 68% das mulheres e de 48% dos homens.

Além disso, 38% dos homens que não compram online disseram preferir fazer compras pessoalmente, enquanto para 42% das mulheres deste grupo o custo do frete é um problema.

A pesquisa também avaliou a disposição dos consumidores online da região de comprarem em sites locais ou internacionais. A Argentina é o país com maior índice de consumidores que preferem fazer compras locais: 76%. O Brasil aparece em segundo lugar, com 58%, à frente da Colômbia (55%) e Chile (49%).

O estudo da comScore entrevistou 800 consumidores no Brasil, México, Chile, Argentina, Colômbia e Peru.






Veja também

Google+