A melhor Plataforma
E-commerce do Brasil
(11) 3136-0561
Crie sua loja virtual

Pequenas Empresas crescem com E-commerce

Tema: PME's x Comércio Eletrônico

27/10/2010

Fonte: Blog do Ecommerce | Autora: Beth Matias, da Agência Sebrae de Notícias

Pesquisa da Fecomercio e e-bit mostra que faturamento de janeiro a julho de R$ 7,8 bilhões superou o total de vendas dos shoppings centers da Grande São Paulo

São Paulo ? As pequenas empresas que apostaram no comércio eletrônico como plataforma de vendas não têm do que se queixar este ano. ?O primeiro semestre foi excepcional?, diz a empresária Juliana Messenberg, sócia do site de descontos Superexclusivo, que comercializa produtos de outras lojas.

Há dois anos e meio no mercado, Juliana diz que não se lembra de já ter vendido tanto. A empresa tem 570 mil clientes cadastrados e cresce 40% ao mês. ?Neste primeiro semestre, tivemos uma explosão de vendas em relação a 2009. Crescemos 430%?, diz Tiago Santos, outro sócio da empresa.

O crescimento da Giuliana Flores, uma loja virtual de venda de flores pela internet, também é representativo. Só neste primeiro semestre, as vendas cresceram 52% em relação ao mesmo período do ano anterior. A empresa tem 20 anos de mercado e está há 10 na internet.

Pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio), em parceria com a empresa e-bit, divulgada na segunda-feira (27), mostra que o comércio eletrônico faturou R$ 7,8 bilhões no Brasil de janeiro a julho deste ano, um crescimento de 41,2% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Esse faturamento superou o total de vendas dos shoppings centers da Grande São Paulo, estimado em R$ 7,2 bilhões no período.

?As pessoas aprenderam a comprar pela internet. Estão mais seguras e também conhecem melhor a rede mundial. Além disso, o comércio eletrônico segue normas mais rígidas do que o comércio real. Se o produto não serviu ou se a pessoa não gostou do que comprou, pode devolver e ter o dinheiro de volta. Na loja de rua ou no shopping, no máximo o consumidor vai conseguir trocar por outro artigo?, diz a empresária Juliana Messenberg.






Veja também

Google+